top of page

A PRESENÇA MARCANTE DAS MULHERES NA ROTA DAS MONÇÕES.



Navegar pelo trajeto fluvial da rota das monções, saindo de Porto Feliz, passando por Camapuã, Coxim, baixada Cuiabana até chegar ao porto Geral de Cuiabá era uma longa e penosa jornada de mais de 3.600 quilômetros em embarcações movidas a remo e varejões.


Qual a participação das mulheres nessa aventura que poderia durar de 3 a 7 meses ? Poucos historiadores, cronistas e escritores de relatos e diários detiveram-se em destacar o importante papel feminino neste cenário de relevância para a formação e o desenvolvimento do estado brasileiro.


Nos anais do Senado da Câmara de Cuiabá está registrada a postura heroica da portuguesa Maria Mulata, de Alentejo, que deu sua vida defendendo com ardor a monção capitaneada por José Cardoso Pimentel, que seguia rumo as minas de Cuiabá.


“ Anno de 1733 - Vindo a monção de Povoado [São Paulo] que constava de cincoenta canoas capitaneadas por Jozé Cardoso Pimentel navegando o pantanal no destrito do Carandá lhe sahio hum grande tumulto de Payagoas, e investindo aos da monção os forão rendendo sem rezistencia alguma, opondosse unica mente o Pimentel na sua canoa auxiliado de Maria mullata natural do Alentejo, fizerão ambos tão ardua rezistencia, que peleijarão por expasso de quatro horas contra todo o tumulto do gentio que sobre elles cahio. Morto o Pimentel esgotado em sangue sustentou ainda a forte matrona por expasso de huma hora a pelleja com toda a brutina furia, tirando lhes as lanças das mãos, e com elles ferindo os e matando os, que parecia hum rayo animado, thé que exausta do sangue passou desta a eterna vida (Annaes do Sennado da Camara do Cuyabá ).


Neste ataque dos nativos Paiaguá, homens anfíbios do pantanal, que lutavam em defesa de seu território, contra a maciça invasão dos exploradores Luso-brasileiros, perderam a vida nessa monção mais de 400 pessoas, escapando somente 4 para relatarem os fatos.


Ao analisamos os antigos documentos históricos referentes a expansão territorial brasileira em terras do centro-oeste, encontramos inúmeros relatos sobre o importantíssimo papel das mulheres na ocupação e colonização de nosso país.


Na rota das monções, nos dias atuais, cada vez mais, as mulheres se destacam, nos mais diversos labores, quer sejam como pescadoras profissionais, como cuidadoras e guardiãs de ranchos pesqueiros e pequenas propriedades ribeirinhas, donas de casa que administram o lar enquanto seus consortes saem em jornadas de pesca, de guiamento de turistas e de trabalhos braçais nos cerrados e pantanais, empresárias e administradoras de empreendimentos diversos, cozinheiras e outras que atuam nos mais diversos segmentos ligados ao turismo, a educação, a saúde e a prestação de serviços.


Nesta postagem, registramos a ilustre presença de três professoras doutoras, que participaram da expedição realizada na 2ª incursão do projeto resgate do patrimônio cultural da rota das monções. São mulheres que desempenham o importantíssimo papel de administrarem instituições de ensino superior na cidade de Coxim, contribuindo para a formação acadêmica de nossos jovens. A professora doutora Silvana Aparecida da Silva Zanchett, diretora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – Campus de Coxim, autora da tese de doutorado intitulada, Corpos Femininos: Cotidiano, Memória e História de Mulheres Pescadoras no Pantanal Sul-Mato-Grossense - (1980-2017). A professora doutora Suzana Neves Moreira, coordenadora dos cursos de biologia e gestão ambiental da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – Campus de Coxim, desenvolvedora da tese de doutorado – Flora de veredas de Mato Grosso do Sul e a professora Phd. Ângela Kwiatkowski, doutora em agronomia com pós doutorado em Ciência de Alimentos, diretora do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul – campus de Coxim.


Neste ano em que comemoramos o tricentenário da rota das monções pela bacia do rio Taquari e o bicentenário da independência do Brasil, será que podemos comemorar também a independência dos preconceitos de gênero?


“Projeto Resgate, Promoção e Valorização do Patrimônio Cultural da Rota das Monções. Fundo Estadual de Defesa e de Reparação de Interesses Difusos Lesados – FUNLES MS / OSC Espaço Manancial/ Salt Media”.


Rota das Monções: "Se o Brasil nasceu na Bahia, o Brasil cresceu por aqui.”


Saiba mais sobre as Monções :

8 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page